Clarice Lispector

 

 

 

 

 

 

 

 

MeuDeus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites, todos vazios da tua presença Me dê a coragem de considerar esse vazio como uma plenitude
Faça com que eu seja a tua amante humilde entrelaçada a ti em êxtase Faça com que eu possa falar com este vazio tremendo e receber como resposta o amor materno que nutre e embala Faça com que eu tenha a coragem de te amar, sem odiar as Tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo Faça com que a solidão não me destrua Faça com que minha solidão me sirva de companhia
Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo Receba em teus braços o meu pecado de pensar

Laranja na mesa.
 Bendita a árvore que te pariu.

Passei a vida tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar.»

Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor. Que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata.

Clarice Lispector, nascida Haia Lispector (n. Chechelnyk, Ucrânia a 10 de dezembro de 1920 — m. Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s