Elisa Lispector

 

 

 

Orquídea

Orquídea (Photo credit: de Paula FJ)

“Só quem pudesse amá-la seria capaz de transformar quietude em ressonância, e a sua força em motivos. E, com o passar dos anos de desesperança e falta de repercussão, ela se foi dando conta da improbabilidade de realizar-se, lograda na sua inútil espera. Então foi ficando cada vez mais esquiva e solitária, cada vez menos afeita a fazer-se amar.”

 

Elisa Lispector

 

In: O Muro de Pedras
Rio de Janeiro: José Olympio, 1963
p. 133

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s