7 .

 

Espero que a chuva não pare meu coração.

Houve um dia em que senti uma preguiça imensa

de ainda estar vivo: minhas mãos entre relvas.

Mãos, relvas: percebo que a vida é profunda.

Mesmo sem Deus continuo sagrado.

Sem meu coração não há trens. Sem meu coração

a possibilidade do sagrado é mínima.

 

Fernando Karl

In Esquina,China e Outros Poemas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s