Dia de Hoje

 

 

Ó dia de hoje, ó dia de horas claras

florindo nas ondas, cantando nas florestas,

no teu ar brilham transparentes festas

E o fantasma das maravilhas raras

visita, uma por uma, as tuas horas

Em que há por vezes súbitas demoras

Plenas como as pausas dum verso

Ó dia de hoje, ó dia de horas leves

Bailando na doçura

e na amargura

De serem perfeitas e de serem breves

 

Sophia de Mello Breyner Andresen

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s