Uma Noite – Afonso Henriques Neto

UMA NOITE

Afonso Henriques Neto

 

o tio cuspia pardais de cinco em cinco minutos.

esta grama de lágrimas forrando a alma inteira

(conforme se diz da jaula de nervos)

recebe os macios passos de toda a família

na casa evaporada

mais os vazios passos

de ela própria menina.

a avó puxava linhas de cor de dentro dos olhos.

uma gritaria de primos e bruxas escalava o vento

escalpelava a tempestade

pedaços de romã podre

no bolor e charco do tanque.

o pai conduzia a festa

como um barqueiro

puxando peixes mortos

nós

os irmãos

jogávamos no fogo

dentaduras pétalas tranças

fotografias cuspes aniversários

e sempre

uma canção

só cal e ossos

a mãe de nuvem parindo orquídeas no cimento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s