44 – Fernando Pessoa

Está frio.

Ponho sobre os ombros o capote que me lembra um xale –

O xale que minha tia me punha aos ombros na infância

Mas os ombros da minha infância sumiram-se muito para dentro dos meus

ombros,

E o meu coração da infância desceu-se muito, para dentro do meu coração.

Sim está frio…

Está frio em tudo que sou, está frio…

Minhas próprias ideias têm frio, como gente velha…

E o frio que eu tenho das minhas ideias terem frio é mais frio do que elas.

Engenho o capote à minha volta…

O Universo da gente…a gente…as pessoas todas!…

A multiplicidade da humanidade misturada,

Sim, aquilo a que chamamos a vida, como se só houvesse astros e estrelas…

Sim, a vida…

Meus ombros descaem tanto que o capote resvala…

Querem consertar melhor? Puxem-me para cima o capote.

Ah, parte a cara à vida!

Liberta-te com estrondo no sossego de ti!

Fernando Pessoa

In Antologia Poética

Organização e apresentação Cleonice Berardinelli

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s