49 – Fernando Pessoa

Quando as crianças brincam

E eu oiço brincar,

Qualquer coisa em minha alma

Começa a se alegrar.

E toda aquela infância

Que não tive me vem,

Numa onda da alegria

Que não foi de ninguém.

Se quem fui é enigma,

E quem serei visão,

Que ao menos quem sou sinta

Isto no coração.

Fernando Pessoa

In Antologia Poética

Elaborada por Cleonice Berardinelli

Anúncios

Uma resposta em “49 – Fernando Pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s