Paulo Leminski

Abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri:
Antigamente eu era eterno.

Paulo Leminski )

*

Tarde de vento.
Até as árvores
querem vir para dentro.

Paulo Leminski )

*

rio do mistério
que seria de mim
se me levassem a sério?

Paulo Leminski )

*

a palmeira estremece
palmas pra ela
que ela merece

Paulo Leminski )

*

Se

se
nem
for
terra
se
trans
for
mar

Paulo Leminski )

*

A noite me pinga
uma estrela no olho
e passa.

Paulo Leminski )

*

Amor bastante

quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante

Paulo Leminski )

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

Paulo Leminski )

*

Parada cardíaca

Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.

Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski )

*

Atraso Pontual

Ontens e hojes, amores e ódio,
adianta consultar o relógio?
Nada poderia ter sido feito,
a não ser o tempo em que foi lógico.
Ninguém nunca chegou atrasado.
Bençãos e desgraças
vem sempre no horário.
Tudo o mais é plágio.
Acaso é este encontro
entre tempo e espaço
mais do que um sonho que eu conto
ou mais um poema que faço?

Paulo Leminski )

*

Desencontrários

Mandei a palavra rimar,
ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
a sílaba silenciosa.

Mandei a frase sonhar,
e ela se foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
para conquistar um império extinto.

Paulo Leminski )

*

Razão de Ser

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Paulo Leminski )

*

Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima.

Paulo Leminski )

*

não discuto
com o destino

o que pintar
eu assino

Paulo Leminski )

*

pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando

Paulo Leminski )

*

noite alta lua baixa
pergunte ao sapo
o que ele coaxa

Paulo Leminski )

*

Inverno
É tudo o que sinto
Viver
É sucinto

Paulo Leminski )

*

tudo claro
ainda não era o dia
era apenas o raio

Paulo Leminski )

*

Sem Budismo

Poema que é bom
acaba zero a zero.
Acaba com.
Não como eu quero.
Começa sem.
Com, digamos, certo verso,
veneno de letra,
bolero. Ou menos.
Tira daqui, bota dali,
um lugar, não caminho.
Prossegue de si.
Seguro morreu de velho,
e sozinho.

Paulo Leminski )

*

essa idéia
ninguém me tira
matéria é mentira

Paulo Leminski )

*

não fosse isso
e era menos
não fosse tanto
e era quase

Paulo Leminski )

*

amei em cheio
meio amei-o
meio não amei-o

Paulo Leminski )

*

moinho de versos
movido a vento
em noites de boemia

vai vir o dia
quando tudo que eu diga
seja poesia

Paulo Leminski )

*

vazio agudo
ando meio
cheio de tudo

Paulo Leminski )

*

o barro
toma a forma
que você quiser

você nem sabe
estar fazendo apenas
o que o barro quer

Paulo Leminski )

*

Marginal é quem escreve à margem,
deixando branca a página
para que a paisagem passe
e deixe tudo claro à sua passagem.

Marginal, escrever na entrelinha,
sem nunca saber direito
quem veio primeiro,
o ovo ou a galinha.

Paulo Leminski )

*

Arte do Chá

ainda ontem
convidei um amigo
para ficar em silêncio
comigo

ele veio
meio a esmo
praticamente não disse nada
e ficou por isso mesmo

Paulo Leminski )

*

Acordei bemol
Tudo estava sustenido

Sol fazia
Só não fazia sentido

Paulo Leminski )

*

amar é um elo
entre o azul
e o amarelo

Paulo Leminski )

*

dia sem senso
acendo o cigarro
no incenso

Paulo Leminski )

*

você está tão longe
que às vezes penso
que nem existo

nem fale em amor
que amor é isto

Paulo Leminski )

*

atrasos do acaso
cuidados
que não quero mais

o que era pra vir
veio tarde
e essa tarde não sabe
do que o acaso é capaz

Paulo Leminski )

 

Fonte : A magia da Poesia

2 respostas em “Paulo Leminski

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s