OS PESSIMISTAS QUE ME PERDOEM. MAS SE NÃO FOR PRA SER FELIZ QUAL É O SENTIDO DISSO TUDO? Por André J. Gomes via Revista Bula

 

 

E quem sabe o Ano Novo nos seja justo e retribua cada voto de felicidade que nós tanto desejamos a ele? Quem sabe, na contagem regressiva, no instante que dá à vida um novo início, ele também nos celebre, festeje, comemore e nos faça listas de desejos generosos?

Com justiça, ele também há de chegar pedindo água, afeto e leveza depois de horas no trânsito pesado rumo à praia. Vai fugir para as montanhas, ficar em casa com os seus ou tão sozinho como no fundo todos somos. Mas de qualquer sorte vai nos fazer a festa. Vai nos receber com os fogos e as luzes e cores do Réveillon.

Vai trazer o novo tempo pela mão, a nosso favor, e aproveitar cada minuto que lhe cabe.

Também vai vestir branco, amarelo, bege, rosa, verde, vermelho, preto, azul ou surgir nu em pelo na sua hora inicial como qualquer recém-chegado a este mundo. Que chegue balançando as partes, montado no cavalo da vida, os olhos adiante e os pés no chão. E dispare cheio de força rumo ao horizonte onde dorme o vento.

Que o Ano Novo encha a cara de festa e amanheça com dor nas juntas de tanta dança e tanto abraço. A garganta raspando da alegria gritada. E a consciência limpa de quem não fez mal a ninguém e ainda tentou ajudar.

Que venha firme e forte como a esperança dos mais otimistas entre nós. E que em coro com uma multidão de décadas e séculos e milênios de ontem e amanhã, numa contagem progressiva de fracassos e conquistas, tombos e recomeços, revele nosso destino implacável de felicidade.

Que erre, também. Erre feio. Tropece, caia, levante. Que o Ano Novo seja como um de nós. Incompleto, imperfeito, esperando nosso empenho por corrigi-lo e completá-lo. Porque perfeição enche o saco e ponto.

Mas que se mostre irretocável ao menos em atender nosso voto mais simples: que seja feliz de fato, por vocação e opção. E que nos abra os braços, sorrindo e chorando em verdadeira e comovida recíproca.

Então nós, em desinteressada gratidão, seremos felizes como é sempre o Ano Novo em nossos sonhos. Porque faremos uns pelos outros, agora, tudo aquilo que desejamos à nossa ideia de futuro comum, justo, esperado e merecido.

Feliz Ano Novo, gente amiga. Sejamos felizes como nunca, como der, como sempre. Desde já.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s