Ou confie ou mude – Osho


Eu ouvi que, certa vez, Winston Churchill foi convidado a falar em um pequeno clube de amigos. Todo mundo sabia que Churchill era alcoólatra e apreciava muito a bebida. O homem
que o apresentou, o presidente do clube, disse: “O senhor Winston bebeu tanto vinho até agora que, se nós vertêssemos tudo o que ele bebeu neste corredor, o nível alcançaria a minha cabeça”. Era um corredor grande, e ele estava só brincando.

Winston Churchill levantou-se, olhou para a linha imaginária, depois para o teto, que era alto, mostrou-se muito entristecido e disse: “Tanto ainda para ser feito, e tão pouco tempo para fazer!”.

Naquilo que diz respeito ao amor, ainda há tanto para fazer para todos e tão pouco tempo para fazer tudo. Não desperdice a sua energia lutando com o ciúme, com conflitos; mude, e mude amigavelmente. Procure em outro lugar a pessoa que o amará. Não se prenda a alguém que é errado, que não é para você. Não fique bravo, não se ganha nada com isso, e não tente forçar a confiança; ninguém pode forçá-la, nunca dá certo. Você perderá tempo, perderá energia e só se dará conta quando nada mais puder ser feito. Mude. Ou confie ou mude.

O amor sempre confia, ou se ele acha que a confiança não é possível, simplesmente muda de forma amigável; sem nenhum conflito, nenhuma briga. O sexo cria ciúme; procure, descubra o amor. Não faça do sexo o essencial, ele não é.

A Índia perdeu com o matrimônio arranjado; o Ocidente está perdendo com o amor livre. A Índia perdeu o amor porque os pais eram muito calculistas e espertos. Eles não permitiam apaixonar-se: isso é perigoso, ninguém sabe para onde conduzirá. Eles eram muito inteligentes, e por causa da inteligência a Índia perdeu toda a possibilidade de amar.

No Ocidente eles são muito rebeldes, jovens demais, não inteligentes, muito jovens, muito infantis. Eles fizeram do sexo uma coisa gratuita, disponível em todos os lugares. Nenhuma necessidade de descobrir o amor mais profundamente; desfrute o sexo e pronto.

Pelo sexo o Ocidente está perdendo: pelo matrimônio o Oriente perdeu. Mas se você está atento, você não precisa ser oriental, você não precisa ser ocidental. O amor não é nem oriental nem ocidental.

Continue a descobrir o amor dentro de você. E se você amar, cedo ou tarde a pessoa certa surgirá, porque um coração amoroso, cedo ou tarde, encontra um coração amoroso. Sempre acontece. Você achará a pessoa certa. Mas se tiver ciúme, você não achará, se está simplesmente atrás de sexo, você não achará, se você só vive em segurança, você não achará.

Osho, em “Um Pássaro em Voo: Conversas Sobre o Zen”
Imagem por yooperann
Anúncios

Aproveite este momento, não se prepare para o amanhã – Osho

palavras de Osho

Aproveite este momento, não se prepare para o amanhã.

hoje é maravilhoso – deleite-se nele, deixe ser uma celebração.

‎Osho‬, em “The Path of Love”
Imagem por Lotus Carroll

Leia mais: http://www.palavrasdeosho.com/2014/04/aproveite-momento.html#ixzz2yBlUdOmc

O mágico e as ovelhas – Osho

palavras de Osho

O mágico e as ovelhas

 

Gurdjieff costumava contar uma parábola … Havia um mágico que era também um pastor. Ele tinha milhares de ovelhas para cuidar, e era um homem muito avarento, por isso não queria muitos empregados e muitos vigias. Ele não queria pagar ninguém e não queria que suas ovelhas se perdessem ou que fossem comidas pelos lobos. Mas era muito difícil para ele tomar conta de todas as ovelhas sozinho. Ele era muito rico e tinha muitas ovelhas.

Assim, ele pregou uma peça nas ovelhas. Ele as hipnotizou — ele era um mágico. Ele as hipnotizou dizendo a cada uma: “Você não é uma ovelha. Não tenha medo”. Para algumas ele disse: “Você é um leão”. Para outras ele disse: “Vocês são tigres”. Para outras ainda ele disse: “Vocês são homens. Ninguém irá matá-los. Não tenham medo e não tentem escapar daqui”.

As ovelhas começaram a acreditar na hipnose dele. Todo dia ele matava algumas ovelhas, mas as outras pensavam: “Não somos ovelhas. Ele está matando apenas ovelhas. Nós somos leões, somos tigres, somos lobos, somos isso e aquilo…” até mesmo que eram homens. Para algumas foi dito, até mesmo, que elas eram mágicas — e elas acreditaram. Era sempre uma ovelha que seria morta. Elas permaneceram indiferentes, distantes. Não estavam preocupadas. E, pouco a pouco, todas foram mortas.

“Essa é a situação”, costumava dizer Gurdjieff.

Quando alguém morre, já ocorreu a você que é a sua morte? Não. A mente continua a fazer o jogo. A mente diz que é sempre o outro que morre, nunca é você.

De vez em quando, um homem muito velho vem a mim. E ele está sempre preocupado com a minha morte. Ele pergunta: “Osho, se você morrer, o que acontecerá comigo?” Ele tem quase setenta e cinco anos. Fico sempre surpreso quando ele diz: “Se você morrer, o que vai me acontecer?” Osho vai morrer e ele não vai morrer. Há toda possibilidade de ele morrer antes de mim, mas sobre isso ele nunca pergunta. Sempre que ele vem, essa é a pergunta: “Não me deixe. Se você morrer, o que acontecerá comigo?”

É assim que a mente continua a funcionar. É sempre uma outra pessoa que morre. Você não vê as pessoas correndo em seus carros numa velocidade louca? Por quê? Há uma ideia profunda na mente de que acidentes só acontecem com outras pessoas. Até mesmo nas placas de sinalização está escrito quantos acidentes estão acontecendo todos os dias, quantas pessoas morreram ontem; e ainda assim as pessoas continuam correndo.

Quem se importa? Essas coisas acontecem aos outros. “Esses acidentes, sim, eles acontecem, mas nunca aconteceu comigo”. Esta ideia persiste. A parábola de Gurdjieff não é simplesmente uma parábola.

Tudo o que é errado acontece para outras pessoas. Mesmo a morte. Você não consegue conceber sua própria morte. E, se você não pode conceber sua própria morte, você não pode se tornar religioso. Até pensar sobre ela parece impossível — como posso morrer? Como?

A pessoa continua a se manter separada de tudo, continua a acreditar que ela é a exceção. Cuidado! Sempre que você sentir que é a exceção, lembre-se, a mente vai enganá-lo. A mágica da mente está iludindo você. E tem iludido todo mundo. Esse é o sono metafísico. “A morte não vai acontecer a mim. E eu já sou aquilo que quero ser. E tudo é bom. E estou acordado. E eu já sei. Assim, o que há para buscar e procurar?”

Essas noções falsas, essas idéias absurdas têm se repetido por tanto tempo que você está hipnotizado por elas. Você tem se auto-hipnotizado. O mágico não está em algum lugar do lado de fora, ele é a sua própria mente. Ele tira toda a significação de você. A significação está apenas na consciência, a significação é consciência. É um tipo de esplendor. Quando você se torna radiante com consciência, tudo se torna radiante com significação.

Osho, em “Sufis: O Povo do Caminho”
Imagem por moonux

A vida só tem sentido quando isso acontece – Osho

Acredito que encontrar Deus é uma dádiva maravilhosa , mas  acho incrível que Ele habite dentro de nós . Isso é divino .

Beijos a todos .

Peço mil desculpas pela ausencia . Estou trabalhando duro para ficar bem e voltar a esse cantinho e postar , comentar e ver / ler vcs , de novo .

Muitas saudades .


O diamante está dentro, e nós estamos fora. Ele é parte de nosso ser, mas nós o procuramos em todo lugar, exceto lá; daí a amargura, a frustração, o desespero.

Olhe para dentro de você, para seu interior, e o reino de Deus é seu. Nunca o perdemos, nem sequer por um momento. Na verdade, mesmo que quiséssemos perdê-lo, não poderíamos – ele é nosso próprio ser.

Mas nos tornamos mendigos por decisão própria, por causa de nossa estupidez. Esquecemos como se lê a língua da escritura interior e procuramos nos Vedas, no Alcorão e na Bíblia…

Seremos grandes eruditos, mas não ricos. Ficaremos sempre pobres. A riqueza só vem por um caminho, o interior, porque é lá que se encontra a mina, o tesouro, o inexaurível tesouro.

Volte-se para dentro, harmonize-se, e a alegria será grande – infindável! A vida só tem sentido quando isso acontece, não antes. A vida só é vida assim, nunca antes.

Osho, em “Meditações Para o Dia”
Imagem por Fernando Pillet